sexta-feira, 19 de Abril de 2013

MapStory - publicar mapas com cronologia dinâmica


De uma forma geral podemos afirmar que os mapas foram inventados para ilustrar certas realidades   - demografia, ambiente, relevo etc. No entanto, a inclusão da variável tempo foi sempre um desafio, e mesmo hoje, na era digital, continua a ser uma questão complexa.

MapStory é uma aplicação web based que permite criar mapas em que a variável tempo é facilmente integrada, sendo o resultado final um video.  O MapStory convida os utilizadores a criarem mapas e dados que depois serão disponibilizados através de uma licença Open Database Licence  (ODbL).

Como exemplo decidi montar um mapa muito simples com as datas mais importantes da "Reconquista Cristã". A ideia é criar um vídeo que ilustre de forma intuitiva o lento avanço dos cristãos na Penísula Ibérica (quase 8 séculos):



Vejamos então como criar mapas com o MapStory.



O primeiro passo (após a criação de uma conta) é escolher a opção Create a MapStory:


Tal como em qualquer programa desktop, é sempre boa política começar por salvar o nosso projecto. No caso do MapStory, é-nos dada a possibilidade de acrescentar uma descrição, que ficará associada ao nome do mapa:


Para adicionar informação temos duas hipóteses - ou desenhamos directamente no mapa, ou importamos um shapefile com os dados. Pessoalmente prefiro recorrer ao shapefile por um motivo muito simples: já que vou ter o trabalho de criar dados ao menos que fiquem num formato de grande interoperabilidade como é o shapefile. Contudo, há que ter em conta que para que um dado Shapefile possa ser utilizado no MapStory, facilita (mas não é indispensável) ter um atributo que expresse uma data/referência temporal de forma inequívoca e constante. Para os menos experientes com software SIG, a primeira abordagem - desenhar directamente no mapa - talvez seja a mais aconselhada.

Para usar um shapefile é necessário regressar à página inicial e clicar em Upload Story Layer e seguir as instruções que vão sendo dadas:



Concluído o upload do(s) shapefile(s) estes passam a integrar o repositório de StoryLayers do MapStory, ficando por isso disponíveis não só para o nosso projecto, como também para outros  utilizadores.

Voltamos ao modo de edição do nosso mapa (ir de novo à página inicial, clicar em Search MapStories e todos os mapas que guardámos aparecem no canto superior esquerdo) e adicionamos ao nosso projecto o layer "Reconquista Cristã" que foi adicionado ao repositório MapStory a partir do shapefile.


Este layer contém a localização e data de 20 vitórias importantes para os cristãos. No entanto, de modo a que o mapa contenha mais leitura, teremos de adcionar notas. Estas notas podem estar associadas a pontos, linhas ou polígonos, mas só serão mostradas no vídeo final se o mapa tiver pelo menos um layer. Por outras palavras, as notas não são layers, são apenas informação complementar. Neste exemplo foi adicionada uma nota para cada batalha, o mesmo é dizer para cada ponto do layer "Reconquista Cristã":


O último passo consiste em definir algumas configurações e preferências gerais:


Finalmente, a publicação do mapa. No seu modo mais simples, a publicação limita-se a gerir um código HTML que permite que este mapa seja embutido num site ou blog - como é o caso do exemplo com que começeu este post:


Se desejarmos que o mapa seja visível para qualquer pessoa que pesquise os repositórios do MapStory, então teremos de fornecer informações mais precisas sobre os dados e respectiva qualidade dos mesmos. Isso pode ser feito a partir do botão View Info que se encontra no canto superior direito.

Problemas e aspectos a melhorar

Apesar dos resultados serem bastante interessantes, a verdade é que a experiência de utilização do MapStory ainda deixa um pouco a desejar. A interface é lenta e por vezes inoperante devido a erros de Java Script. 

Outro aspecto que a mim me desiludiu é o facto de não ser possível (se é está tão escondido que eu não vi) usar atributos de um shapefile como nota ou label. Não sendo possível temos de criar notas para acompanhar e descrever os pontos/linhas/polígonos dos nossos layers.

Finalmente, no que a melhorias diz respeito, é urgente adicionar opções de simbologia que neste momento são muito reduzidas.

Contudo há que ter em conta que o projecto é muito recente e todos estes pontos não invalidam que o MapStory seja uma ferramenta que vale a pena experimentar ou pelo menos seguir. O seu potencial para o ensino é evidente e certamente será essa a força que irá motivar o desenvolvimento do projecto nos próximos tempos.




3 comentários:

  1. Link do do MapStory?
    Não encontrei..

    ResponderEliminar
  2. O link está logo no segundo parágrafo do texto, como hiperligação. De qualquer forma aqui fica: http://mapstory.org/

    ResponderEliminar
  3. De facto, e bem á vista.. distracção minha.
    Peço desculpa.
    Cumprimentos

    ResponderEliminar